Início > Farmacos > Mebendazol > Farmacodinâmica

Farmacodinâmica

1. Local e mecanismo de ação: O mebendazol é responsável por diversas alterações bioquímicas nos nematódios alvos. Sua ação inclui a inibição da enzima fumarato redutase mitocondrial [1], a redução do transporte de glicose e o desacoplamento da respiração e da síntese de ATP, não ocorrendo a produção energética necessária para a respiração e reprodução do parasita. No entanto, sua principal ação farmacológica é inibir a polimerização dos microtúbulos, agindo sobre o monômero β-tubulina dos parasitas, decorrente da alta afinidade por essa proteína em relação à proteína dos mamíferos.

 

2. Efeitos: A morte do parasita ocorre de modo lento e a sua eliminação do trato gastrintestinal pode não ocorrer antes de um certo período após o início do tratamento. O mebendazol também pode exercer efeitos larvicidas (doença hidática, cisticercose, ascaridíase e ancilostomíase) além de efeitos ovicidas (ascaridíase, ancilostomíase e tricuríase).

 

2.1. Reações adversas: O mebendazol não possui efeitos adversos significativos, mesmo na presença de anemia e má nutrição. Os possíveis sintomas decorrentes do tratamento, a curto prazo, podem variar de dor abdominal à distensão e diarréia, devido a infestação e expulsão dos parasitas. Outros efeitos colaterais, raros, incluem: reações alérgicas; alopecia (queda de cabelo); neutropenia [2] reversível, agranulocitose [3], e hipospermia [4]. O tratamento algumas vezes pode estar associado a convulsões occipitais.

 

2.2. Contra Indicações e Precauções: O fármaco é contra indicado a pacientes que tenha hipersensibilidade a ABZ (benzemidazólicos), pacientes com cirrose – principalmente aqueles que não foram pré-tratados com glicocorticóides [5]    e geralmente não é aconselhável o tratamento em gestantes devido ao seu efeito teratogênico e embriotóxico. Em crianças – de 0 a 2 anos – o uso do medicamento deve ser realizado de maneira cautelosa, pois há poucos experimentos e raros relatos de convulsões para este grupo.



[1] Esta se apresenta em alguns eucariontes, como os nematóides. Tem a sua função reversa ao Complexo II da cadeia respiratória, promovendo a respiração anaeróbia desses indivíduos no intestino grosso, por exemplo.

[2] Diminuição dos níveis de neutrófilos no sangue.

[3] Diminuição dos níveis de leucócitos granulócitos.

[4] Diminuição do volume de esperma.

[5] Imunossupressores e anti-inflamatórios.